A Dança da Fonte Emergente

A Dança da Fonte Emergente

Tempo de leitura: 2 minutos

“A Dança da fonte emergente”, tradução do título original: “La Danse de la Fontaine Émergente” é uma obra encomendada em 1999, pela prefeitura de Paris, ao artista chinês Chen Zen (1955-2000).

Chen Zen (1955-2000).

Executada durante sete anos, pelo artista plástico, Me Xu Min, segundo os esboços deixados por Chen Zen, falecido em 13 de dezembro de 2000, por uma doença rara e incurável (anemia hemolítica).

Foi inaugurada em 2008, na Praça Augusta Holmès, rue Paul-Klee, no novo bairro do 13° arrondissement (distrito) conhecido como: “Paris Rive Gauche.

A Dança da Fonte Emergente
“A Dança da Fonte Emergente” ou “A fonte do Dragão”. Foto: Google Maps.

Apelidada de “A Fonte do Dragão”, a obra evoca o corpo de um dragão, mergulhando por três vezes no piso de pedra. A cabeça durante todo o seu percurso permanece invisível.

Inspirada na longa tradição dos dragões chineses, a escultura é constituída por vários materiais como: vidro, aço inoxidável, poliestireno, água e luz e dividida em três partes:

Fonte do Dragão na Place Augusta Holmès.

1° Parte: A escultura do dragão, estilizado em baixo-relevo, aparece emergindo da parede do edifício em que dá acesso da estação de produção de água subterrânea (não potável). Uma pequena parte do corpo se encontra mergulhando no piso a direita.

A Dança da Fonte Emergente
Painel Chen Zhen da estação de água subterrânea de Paris. Foto: Google Maps.

2° e 3° Parte: O dragão de escamas pontiagudas dança seu corpo num trajeto irregular, entrando e saindo do piso de pedras, por duas vezes, sem mostrar sua cabeça, no sentido do rio Sena, que se encontra logo abaixo da praça.

A Dança da Fonte Emergente

Sua força simbólica, onde o rio Sena (Yin) e o sol (Yang) são visíveis nos tubos transparentes de vidros, onde a água ao circular em alta pressão por pequenos canos integrados na estrutura, surge de forma poética para iluminar a noite com luzes alternadas de amarelo, verde vermelho e azul, transformando o dragão emergente numa escultura em pleno movimento.

A Dança da Fonte Emergente
Dragão translúcido (dia). Foto: Overblog.
A Dança da Fonte Emergente
Dragão vermelho translucido (noite). Foto: Overblog.
A Dança da Fonte Emergente
Dragão azul translúcido em “movimento” a noite. Foto: Overblog.
A Dança da Fonte Emergente
Dragão amarelo translúcido (noite). Foto: Overblog.
A Dança da Fonte Emergente
Dragão colorido translúcido (noite). Foto: Overblog.

Gostaria de fazer uma visita guiada em Paris? Então clique no botão abaixo para mais informações e agendamento. Aguardo seu contato! Tom Pavesi!

Foto capa: Nicolas Bonnele.

10 Comentários


  1. OBRIGADA TOM, POR NOS BRINDAR COM MAIS ESSE SEGREDO DA LINDA PARIS. UM BOM DIA.

    Responder

  2. PARABÉNS TOM, VOCÊ SEMPRE ME SURPREENDE COM SUAS INFORMAÇÕES. MAIS UMA HISTÓRIA, MAIS UMA OBRA DE ARTE PARA CONHECER EM PARIS. OBRIGADA.

    Responder

  3. Parabéns Tom Pavesi pela pesquisa e dividir conosco seus conhecimentos. Uma aula de Cultura.
    Tal Sherlock Holmes, Paris não guardará seus “segredos”.
    Obrigado!

    Responder

  4. boa noite Tom
    Como seus outros leitores estou sempre esperando suas postagens , mas esta de hoje foi espetacular.Adorei o jogo de cores e a sutileza como foi feita essa obra .Obrigada
    Neusa e Silvio

    Responder

  5. Epetakular, parabéns pelas matérias que você tem postado….

    Responder

  6. Muito obrigada por mais uma deliciosa “aventura cultural” nos distritos de Paris, narrada de forma educativa, objetiva e cativante.
    Aguardo sempre a próxima , com ansiedade!
    Au revoir!

    Responder

      1. Tom você é Top 100. Saudades dos nossos passeios. Éramos felizes e não sabíamos. 💚🇧🇷💛🥰🥰🥰

        Responder

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *