Fonte Saint-Michel no Quartier Latin

Fonte Saint-Michel no Quartier Latin

Tempo de leitura: 6 minutos

O projeto da construção da Fonte Saint-Michel no Quartier Latin foi ordenada em 1860, pelo prefeito de Paris, o barão de Haussmann (1809-1891) e Napoleão III (1808-1873) como parte do plano das reformas urbanas de 1853, onde ruas foram alargadas e transformadas em avenidas e bulevares, e inúmeros edifícios medievais foram demolidos, em favor da modernização da cidade, com a construção de novos edifícios.

Seguindo essa ideia de melhorias urbanas (rede de esgoto, canalizações de água potável…), o Boulevard Sebastopol que se encontrava na margem direita do rio Sena foi alongado no mesmo eixo passando pela ilha de la Cité até chegar na margem esquerda, com o nome de Boulevard Sebastopol-Rive-Gauche.

Na junção desse bulervar, (mais tarde chamado, Boulevard Saint-Michel), com a Place Saint-André-des-Arts estava previsto a construção de uma praça com uma fonte (chafariz) monumental, em oposição, na margem direita, a uma outra praça situada no início do Boulevard Sebastopol, chamada em francês, Place du Chatelet.

Planta de Paris em 1851.

Além do plano de modernização do bairro do Quartier Latin, a realização da fonte tinha também como finalidade embelezar a perspectiva para quem vinha da ponte Saint-Michel, e do Boulevard do Palais, (onde se encontra o atual Palácio da Justiça), fechar o ângulo morto formado entre o Boulevard Saint-Michel e a Praça Saint-André-des-Arts, e esconder a fachada cega da lateral de um edifício Haussmanniano, que se encontrava na ponta da praça.

Fonte Saint-Michel no Quartier Latin
Fonte de Saint-Michel, Paris. Fotografia de 1920.

A primeira ideia era uma estátua de Napoleão I, (1769-1821) mas como na época este personagem era mal visto pela população foi trocado pela estátua de São Miguel em lembrança a Capela de São Miguel, que se encontrava perto dali, dentro do Palácio de la Cité, na ilha de la Cité, destruída em 1784.

Projetado como um cenário de teatro foi construída sobre antigas ruas medievais com nomes interessantes: rue de la Harpe (foice, espada), rue des Rats (ratos) ou Rue de la Pomme d’or (maça de ouro)…

O Conjunto:

Fonte Saint-Michel no Quartier Latin
Fontaine Saint-Michel, Praça Saint-Michel, Paris. Foto: Patrick Thiaudiere.

O conjunto da fonte foi realizado pelo arquiteto Gabriel Davioud (1824-1881), e seus três assistentes, Flament, Simonet e Halo. Fundido pela empresa, Thiébaut Frères.

Para compensar a falta de luminosidade na praça foram usados materiais policromados: como pedra azul (Soignies), mármore rosa nas colunas (Languedoc), pedra calcaria amarela (Saint-Yllie), mármore verde e bronze.

O arcanjo Saint-Michel se encontra entre quatro colunas coríntias de mármore rosa, e protegidas por quatro estátuas de bronze no ático , representando as virtudes cardeais: a Força, Prudência, Justiça e Temperança, e duas quimeras aladas, na forma de dragão, sobre as águas da fonte.

Foi inaugurada em 15 de agosto de 1860, na atual Praça Saint-Michel , no 5° arrondissement (distrito).

Fonte:

A fonte tem 26 metros de altura e 15 metros de largura e é composto como um Arco do Triunfo da antiguidade, para comemorar a Vitória do bem sobre o Mal.

Fonte Saint-Michel no Quartier Latin

A água cai em cascata por cima da 2° escultura em forma de rocha, desaguando num primeiro tanque oval, que cheio, transborda para dois tanques semicirculares dispostas uma acima da outra, e quando cheias, a água cai num terceiro tanque, agora de forma quadrangular, fazendo uma pequena cascata num último tanque semicircular, quase na altura do piso.

Esculturas:

As esculturas de bronze de São-Michel e o demônio foram esculpidos por Francisque Duret (1804-1865), inspirado na pintura de Rafael, que se encontra no Museu do Louvre, “Saint Michel terrassant le démon, dit Le Grand Saint Michel” (1518), ou São Miguel derrotando o demônio, dito O Grande São Miguel”.

“Saint Michel terrassant le démon” (1518). Rafael. Museu do Louvre . 

São Miguel, chefe das milicias celestes, luta vitoriosamente com uma espada na mão direita, contra o demônio que se encontra caído e dominado, sobre uma rocha.

Fonte Saint-Michel no Quartier Latin
São Miguel lutando contra o demônio. Praça Saint-Michel, Paris.

Quimeras:

Em cada lado da fonte , se encontra um pedestal com uma quimera em forma de dragão alado apocalíptico.

Outras formas travestidas do demônio, que Saint-Michel combateu e derrotou.

Quimera Dragão alado da esquerda
Quimera dragão alado da direita.

As duas quimera da praça de Saint-Michel esculpidos por Henri-Alfred Jacquemart (1824-1896) são monstros compostos de seres das profundezas do inconsciente, mensageiro de mundos misteriosos, guardião das forças telúricas … Mistura de leão (cabeça), quadrúpede não realmente determinado (corpo), cobra ou dragão (cauda) e pássaro (de asas grandes).

Alegorias:

As quatros estátuas alegóricas das virtudes cardiais, situadas no ático estão intercaladas por medalhões da Ordem de Saint-Michel, (ordem militar criada pelo rei Luís XI (1460-1483).

Da esquerda para direita:

A PRUDÊNCIA: Segurando um espelho, e uma cobra, por Jean-Auguste Barre (1811-1896).

A FORÇA: Vestida na pele do leão de Nemea, e armada com o bastão de Hércules, por Auguste-Hyacinthe Debay (1804-1865).

Alegorias da Prudência e a Força. Praça Saint-Michel, Paris.

A JUSTIÇA: Segurando uma espada, por Elias Robert (1821-1954).

A TEMPERANÇA: Fazendo um gesto de moderação, por Charles Gumery (1827 -1871).

Alegorias da Justiça e Temperança. Praça Saint-Michel, Paris.

Acontecimentos:

De 1923 a 1930, no edifício colocado a fonte, (13 Place Saint-Michel), viveu o músico-compositor brasileiro, Heitor Villas-Lobos (1887-1959).

Em 21 de agosto de 1944, em frente a a praça Saint-Michel e em vários outros pontos da cidade, foram erguidas importantes barricadas na luta para liberação de Paris ocupada desde 24 de junho de 1940, pelos alemães nazistas. Foi finalmente liberada em 24 de agosto de 1944.

Em maio de 1968, entre a Praça Saint-Michel, Boulevard Saint-Michel e a Universidade Sorbonne, ocorreu o maior movimento social, político, estudantil da história da França. Cerca de 20.000 estudantes e trabalhadores saíram as ruas numa manifestação espontânea contra o capitalismo, o imperialismo americano, o consumismo, e o ultrapassado ensino do Estado, para as escolas secundárias e universidades.

Em 10 de maio de 1968, a gendarmeria (policia local) entrou em confronto direto com os estudantes que se protegiam em barricadas improvisadas. Depois de 3 horas de luta, as barricadas foram destruídas, e um balanço de 118 carros queimado ou destruídos, 469 manifestantes foram presos, centenas de pessoas feridas gravemente (nos dois campos), e 7 mortes de estudantes.

Em 13 de maio de 1968, a França é paralisada com a greve geral dos trabalhadores.

Hoje a praça Saint-Michel é hoje um dos principais pontos turísticos do Quartier Latin, e o principal ponto de encontro de pessoas de todo o mundo. Visita obrigatória para quem for a Paris.

Fotos: Wikimedia Commons, Flickr.

Quer ler histórias interessantes sobre Paris? Clique aqui.

Vai viajar e precisa de dicas sobre Paris? Clique aqui.

Quer saber como viajar barato pela França? Clique aqui.

Quer participar no nosso grupo de Segredos de Paris? Clique aqui.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *