Origem e história da Ilha de la Cité

Origem e história da Ilha de la Cité

Tempo de leitura: 27 minutos

Origem e história da Ilha de la Cité teve início por uma tribo de agricultores celtas chamados, “Os Parísios” (ou “Les Parisiis”).

Ilha de la Cité na época romana:

Os Parísios, por volta 250 a.C. foram provavelmente os primeiros habitantes da atual Paris. Dominados pelas tropas de Júlio César em 52 a.C., viveram pacificamente sozinhos na ilha, até as primeiras invasões bárbaras dos “Alamans”, em 257 d. C. Depois tiveram que morar juntos com militares e cidadães romanos que mudaram-se da cidade galo-romana Lutécia, construída na margem esquerda (atual Quartier Latin), para ilha, em busca de proteção contra os novos ataques inimigos.

O imperador César Juliano o Apóstata ou Flavius Claudius Julianus (331 ou 332 -363) foi o último militar romano a morar na ilha. Chegou a fixar residência em 357, numa residência militar construído especialmente para ele (atual Palácio da Justiça). Mas com um exército diminuído (300 homens) e poucos recursos para um combate, ele e seus homens foram para Constantinopla, (antiga capital do Império Romano do oriental), abandonando a ilha e o resto da cidade, nas nas mãos dos pobres Parísios , das poucas famílias romanas e para quem quisesse invadir.

Paris durante ocupação romana.

Durante esse período de ocupação romana, a cidade foi chamada de Lutécia, palavra derivada do latim, Lutum, que quer dizer lama ou melhor, lugar úmido e pantanoso… Esse nome pejorativo de “Cidade lamacenta ou Cidade lamaçal” foi devido as grandes cheias do rio Sena que invadiam grandes áreas de terra do continente e na ilha.

Lutécia chegou a ter entre 5 mil a 10 mil habitantes, uma vila modesta comparada a outras grandes cidades romanas como Lugduno (atual cidade de Lyon). Construída segundo os planos urbanísticos tradicionais da época, com fórum, palácios, termas, templos, teatros, arena, anfiteatro e vias principais (linha de norte ao sul), chamado: Cardo (Cardus Mximum), e vias secundárias, (de leste a oeste), chamada: Decúmano (Decumanus).

A via principal romana, o Cardo (linha Norte-Sul) era onde se encontrava o comércio, feiras livres, mercados e centros administrativos (ex: Fórum romano). Atravessava a atual rue Saint-Jacques (margem esquerda), passando por uma ponte simples de madeira, (lado estreito do rio Sena), entrava na Ilha de la Cité, pela rue de la Cité, passando por uma 2° ponte no lado mais largo do rio Sena, e continuava pela atual rue Saint-Martin.

Essa palavra Cardo deu origem aos atuais pontos Cardeias.

Decúmano ou via secundária, era onde se encontravam os acampamentos militares e as habitações populares.

Origem e história da Ilha de la Cité
Cardo e Decúmano romano em Paris.

Sede do poder real e religioso:

Por volta de 360 d.C. os 1.500 mil habitantes que restaram na ilha, composto de parísios nativos e parísios mesclados com romanos, mudaram o nome da cidade para Paris, em homenagem aos seus antepassados gauleses celtas, os Parísios.

Em 451, a Santa Genoveva, (futura padroeira da cidade), conseguiu convencer esses poucos habitantes que se encontravam na ilha, a não fugir diante dos bárbaros guerreiros nômades, os Hunos, comandos pelo temível rei Átila (434-453).

Por um milagre ou por uma grande jogada da santa, que soltou um “fake news” nas redes sociais da época, dizendo que os habitantes da cidade estavam todos morrendo de peste, Átila sabendo disso preferiu contornar a ilha e partir guerrear mais para o sudoeste, na cidade de Orléans.

Santa Genoveva acalma os parisienses na aproximação de Átila. Pintura mural (afresco), de Jules Elie Delaunay (1828-1891).

Clóvis (466-511), rei dos francos, depois de se converter na fé cristã em 498 em Reims, vencer batalhas contra os romanos, fazer alianças com outras tribos bárbaras do norte da Europa, como os Godos, Ostrogodos e os Armoricanos, receber a benção da santa Genoveva, entrou triunfante em Paris em 508, como herói, salvador e protetor da cidade.

Paris nessa época tornou-se a capital do seu reinado, e a antiga residência do imperador César Juliano na Ilha ficou sendo seu Palácio real.

Suas razões por essa escolha eram sem dúvidas, estratégicas, e também de importância simbólica: o reino franco não possuía administração e nada que caraterizasse um estado moderno, e os reis francos que sucederam Clóvis não deram importância para a cidade.

Clóvis conseguiu ainda que seu exército se convertesse em cristãos, promovendo ainda mais a divulgação da doutrina católica por todas as cidades da Gália (futura França) vencidas por ele. Essa nova onda de católicos em Paris, fez que surgisse muitas igrejas na ilha, fortificando assim o poder do rei e da Igreja sobre os todos os homens da nova fé.

O antigo templo galo-romano dedicado a Júpiter foi substituído entre 511 e 558 por uma grande basílica cristã dedicada a Saint Etienne, (futura Catedral de Notre-Dame de Paris) e outras mais foram construídas por toda a ilha: Igreja “Saint-Jean-le-Rond”, Igreja “Saint-Germain-le-Vieux”, os mosteiros femininos: “Saint-Christophe” e “Saint-Martial” e outras.

Ilha de la Cité atacada pelos Vikings:

O rei dos Francos, Carlos Magno (768-814) também por motivos políticos e estratégicos mudou a capital de Paris para a cidade de Aix-la-Chapelle (atual Aachen, na Alemanha).

Período conturbado de guerras, acordos e conquistas, a cidade de Paris acabou ficando concentrada na Ilha de la Cité, e defendida por ordens de Carlos II, o calvo (843-877) pela antigas muralhas galo-romana, e duas grande torres chamadas: “Petit Châtelet e Grand Châtelet”, para proteger o acesso as duas pontes que ligavam a ilha ao continente. Mas assim mesmo não foi possível evitar as invasões vikings em: 845, 856, 857, 866 e 876.

Origem e história da Ilha de la Cité
Cerco da Ilha de la Cité em Paris, pelos Vikings em 845.

A volta dos vikings ocorreu em 886, com 40 mil homens em 700 embarcações (“langskip“) acampados em Saint-Germain-des-Prés, margem esquerda da Ilha de la Cité, tinham a intenção de atravessar Paris subindo contra correnteza pelo rio Sena e invadir as cidades da Borgonha.

O bispo de Paris, Gozlyn, ao recusar essa passagem, os viking se instalaram e contra-atacaram fazendo um longo cerco por toda a Ilha. Durante a demora de uma resposta favorável, passaram a destruir habitações e igrejas que se encontravam nas margens esquerda e direita do rio Sena. A destruição somente não foi maior, porque o conde de Paris, Eudo I, (um tipo de prefeito de Paris, na falta do rei), acabou negociando o pagamento de um alto tributo a eles, inclusive autorizando a passagem das embarcações por Paris, na paz.

Eudo I (888-898) por essa vitória foi eleito rei da França Ocidental, substituindo o rei dos francos do oriente, Carlos III, o Gordo (885-887) acusado de ter demorado para proteger a cidade.

Ilha de la Cité na Idade Média:

A origem do nome Ilha de la Cité, surgiu no ano 954, quando a cidade de Paris foi dividida pela 1° vez em distritos (arrondissement). A Ilha ficou no “Quartier de la Cité” (Quarteirão da Cidade).

A ilha por ser sido fortificada uma primeira vez na época galo-romano, e depois reforçada durante as invasões vikings, tornou-se hábito dizer que a cidade (cité) se encontrava dentro da muralha da Ilha, pois tudo que se encontrava fora foi praticamente arrasada. Esse hábito deu origem ao nome: Ilha de la Cité.

Origem e história da Ilha de la Cité
Ilha de la Cité, por volta do ano 1000.

O Palácio de la Cité, onde morou o conde de Paris, tornou-se uma residência real, apesar do rei Hugo Capeto (987-996) e alguns dos seus descontentes raramente ocupar, pois preferiram morar na cidade de Orléans.

Com o Luís VI (1108-1137) foi diferente, pois esse rei fixou residência no Palácio de la Cité, juntamente com sua corte, o parlamento e toda cúria sacerdotal de Paris. A cidade tornou-se um importante centro de ensino religioso, e Paris voltou ser a capital do reino da França, com sede na Ilha de la Cité. Além de ordenar que fossem realizadas obras importantes para a urbanização da ilha.

Seus sucessores deram continuidade nas reformas, como por exemplo, nas construções das pontes: “aux Changeurs” (atual Ponte “au Change”), Ponte “Saint-Michel”, Ponte Notre-Dame (antiga Grand-Pont).

A vulnerabilidade da Ilha de la Cité foi amenizada com a construção da muralha de Filipe Augusto (1180–1223), rodeando as duas margens do rio Sena e construção da Fortaleza do Louvre, (futuro palácio Real, e atual museu do Louvre).

O rei sucessor Luís IX (ou São Luís) deu continuidade na construção da Catedral de Notre-Dame (1163-1345), nas reformas do Palácio de la Cité, no início da construção da Santa-Capela (1241-1248) e mais 12 igrejas, reforçando ainda mais a autoridade episcopal e o poder político financeiro representado pela pessoa do rei.

Filipe IV, o belo (1285-1314) aumentou ainda mais o Palacio de la Cite, ordenando a construção da Conciergerie, para ser a sede do governo de Paris.

Em 1364 o rei Carlos V (1364-1380) abandonou a o Palácio de la Cité, para morar no Palácio do Louvre, antiga fortaleza de Filipe II Augusto, transformada em residencia real.

Origem e história da Ilha de la Cité
Palácio de São Luís e a Santa Capela (século XIII), na Ilha de la Cité. Paris 3D – Dassault.

A ilha permaneceu intacta por alguns anos, até a chegado do rei Henrique III (1574-1589) que ordenou em 1578, a construção da Pont Neuf para ligar as duas margens, pelo extremo ocidental da ilha.

Origem e história da Ilha de la Cité
Place Dauphine e a Ponte Neuf. Planta de Mérian (1615).

Após sua morte, seu sucessor Henrique IV (1589-1610) deu continuidade na construção da Ponte Neuf e de outras reformas urbanas, como a construção de 32 edifícios populares em volta da Praça Dauphine edificada sobre três ilhas que haviam sido unificadas no final do século XV: Ilha dos Judeus, (L’île aux Juifs), ilha dos Passadores de Vacas (île des Passeurs de Vaches) e ilha “de La Gourdaine” (nome de um moinho que existiu no local) ou Ilha do Patriarca (“île du Patriarche”).

Origem e história da Ilha de la Cité
Imagem à esquerda, Ilha de la Cité, antes da unificação das três ilhas, e à direita, Ilha de la Cité, unificada para construção de 32 edifícios em volta da praça Dauphine.

Nos séculos XVII e XVIII, a Ilha de la Cité sofreu várias transformações arquitetônicas impostas por novas regras construtivas, como alinhamento dos edifícios no solo, materiais e fachadas.

Origem e história da Ilha de la Cité
Mapa de Paris de 1576, com a inscrição “Icy est le vrai pourtraict naturel de la ville, cité, université de Parisy” (aqui está o verdadeiro retrato natural da cidade, centro, universidade de Paris).

Durante a Revolução Francesa a Ilha de la Cité passou ser chamada de “Ilha da Fraternidade” (“Île-de-la-Fraternité”).

No século XIX, novas ruas foram criadas e pontes foram construídas em novos locais ou em locais que já existentes: Pont de l’Archevêché , Ponte Arcole, Ponte Notre-Dame, Petit-Pont-Cardinal-Lustiger, Ponte au Double.

Transformações Hausmannianas:

As maires transformações na Ilha de la Cité, aconteceram durante o 2° império, pelo prefeito de Paris, o barão Georges-Eugène Haussmann (1809-1891), que apagou com quase todos os vestígios galos-romanos e medievais da ilha. Restando somente as Arenas de Lutécia, as Termas de Cluny (no atual Museu de Cluny), e a Cripta arqueológica no subsolo do Parvis (Praça) da Notre-Dame.

Centenas de casas e uma dezena de igrejas foram arrasadas, 25.000 pessoas expulsas e novas construções foram edificadas como a sede da Prefeitura de Polícia de Paris (1859), Tribunal de Comércio (1865), ruas foram alargadas como: Boulevard du Palaisrue de la Cité, rue de Lutèce, e aberta a praça em frente a Catedral de Notre Dame (Parvis de Notre-Dame).

Origem e história da Ilha de la Cité
Ilha de la Cité remodelada por Haussmann : novas ruas transversais (vermelho), espaços públicos (azul claro) e novos edifícios (azul) .

Houve a importante demolição do antigo Hôtel-Dieu (hospital) que se encontrava implantada na parte sul da praça de Notre-Dame (Parvis), junto a margem esquerda, e a construção de um novo Hôtel-Dieu (1868 e 1875), modernizado, no lado norte da mesma praça.

A única parte antiga medieval poupada das reformas de Haussmann, foram as ruas e edifícios que se encontram próximos a Catedral de Notre-Dame.

Pontes da Ilha de la Cité:

Desde a época romana muitas pontes foram construídas, algumas destruídas por cheias do rio Sena, substituídas ou reformadas nas revoluções industriais tecnológicas e metalúrgicas, dos séculos, XIX e XX, dando mais segurança aos pedestres e aos veículos de transportes que o utilizam frequentemente.

Hoje existem no total 9 pontes que ligam o continente a ilha de la Cité. São elas por ordem de antiguidade:

As 9 pontes da Ilha de la Cité, Paris.

1 – Pont au Change:

Chamada no século XI, durante o reinado de Luís VII (1137-1180) de Pont-aux-Changeurs (Ponte dos cambistas), e depois Pont au Change (Ponte ao Câmbio), em razão dos joalheiros e cambistas da época que utilizavam a ponte para trocas de moedas, cobranças e empréstimos, em nome dos bancos que representavam.

Construída entre 1858 a 1860, durante as reformas urbanas de Paris, pelo barão de Haussmann (1809-1891), por ordens de Napoleão III (1852-1870).

Origem e história da Ilha de la Cité
Ponte au Change. Detalhe do “N” de Napoleão III. Foto: Fu Ling.

Antigamente chamada de “Grand-Pont”, foi a 1° a ser construída no século IX, por ordens do rei Carlos II, o calvo (843-877). Em 1111 foi destruída e reconstruída na mesma margem direita, mas alguns metros mais a oeste, em oposição ao Petit-Pont.

Várias vezes destruída e reconstruída por causa das inundações do rio Sena em: 1196, 1206, 1280, 1296, 1616, 1621, 1647, 1651, 1658 e 1668.

Origem e história da Ilha de la Cité
Mapa parcial de Paris (por volta de 1552) de Truschet et Hoyau

2 – Petit-Pont-Cardinal-Lustiger:

O “Petit Pont” foi renomeada em 2013, Petit-Pont-Cardinal-Lustiger, em homenagem ao cardeal e arcebispo de Paris, Jean-Marie Lustiger (126-2007).

Construída com um só arco entre 1850 a 1853, durante as reformas urbanas de Paris, pelo barão de Haussmann (1809-1891), por ordens de Napoleão III (1852-1870). Ela faz a ligação entre a rue de la Cité, na Ilha de la Cité, e rue Saint-Jacques (antigo eixo do Cardo romano), na margem esquerda.

Origem e história da Ilha de la Cité
Petit-Pont-Cardinal-Lustiger. Foto: David Brossard.

Recebeu esse nome Petit Pont em oposição ao antigo Grand-Pont que atravessava o lado mais extenso do rio Sena na margem direita. Foi destruída e reconstruídas em 1111, 1185, 1196. 1200, 1375.

Até 1378, (data da construção da Ponte Saint-Michel), era a única ponte da margem esquerda a ter acesso a Ilha de la Cité.

3 – Pont Saint-Michel:

Construída por três arcos em 1857, durante as reformas urbanas de Paris, pelo barão de Haussmann (1809-1891), por ordens de Napoleão III (1852-1870). Se encontra alinhada com a Pont au Change.

Ela faz a ligação da Praça Saint-Michel (margem esquerda) ao Boulevard du Palais, na Ilha de la Cité. O desenho da ponte serviu como modelo para construção da Pont au Change, construída entre 1858 a 1560.

Tem 68 metros de comprimento, composta por três arcos de pedra em pleno centro. Em cada fachada entre arcos, encontra-se dois Ns, emblema imperial de Napoleão III.

 Ponte Saint-Michel. Detalhe “N” de Napoleão III. Foto: Ricardo JCF.

Recebeu esse nome em lembrança a uma antiga Capela dedicada ao arcanjo Saint-Michel, que se encontrava dentro do Palácio Real, (na altura do atual Palácio da Justiça), na Ilha de la Cité. Houveram outras pontes no mesmo lugar, com o mesmo nome, destruídas pelas cheias do rio Sena ou por decretos do Estado: 1378, 1407, 1424, 1547, 1616 e 1807.

4 – Pont Notre-Dame:

Construída em 1853 durante as reformas urbanas de Paris, pelo barão de Haussmann (1809-1891), por ordens de Napoleão III (1852-1870). Inicialmente tinha cinco arcos, mas em 1912, três deles foram substituídos por um único arco, em estrutura metálica.

Ponte Notre-Dame. Foto: Pedro Szekely.

Se encontra alinhada no antigo Cardo romano, onde existia antigamente o Grand-Pont, ligando a margem direita, pela rue Saint-Martin, com a rue de la Cité, na Ilha de la Cité.

O Grand-Pont (atual Pont-au-Change) foi destruída pelo vikings em 886 e reconstruído no final do século IX, mais para o oeste da Ilha, e no espaço deixado foi construída uma passarela em madeira chamada: “Pont de Planches de Mibray”, levada por uma inundação do rio Sena, em 1406. Reconstruída de forma mais sólida com um novo nome, Pont Notre-Dame, entre 1413 e 1421.

Em 1499, uma grande enchente do rio Sena, causou o desabamento da ponte e das casas que se encontravam sobre ela causando muitas mortes. Reconstruída e destruídas outras vezes, somente as fundações da ponte construída em 1853 foram o que restaram para a construção da ponte atual em 1912.

5 – Pont Neuf:

A Pont Neuf (Ponte Nova) ao contrário do que seu nome parece nos indicar, ela é a mais antiga de Paris. Recebeu esse nome na época por ter sido a 1° ponte a ser construída sem habitações em cima, a 1° ponte de pedra a cruzar toda a extensão do rio Sena, além de ser a única até então a ter uma calçada exclusiva para proteger os pedestres do trânsito das carruagem e cavalos, e a 1° a ter pequenos balcões em meia-lua para comerciantes fazerem seus negócios.

Origem e história da Ilha de la Cité
Pont Neuf (1615). Detalhe do mapa de Mérian.

Obra iniciada em 1578, por ordens do rei Henrique III (1574-1589), na ponta oeste da Ilha de la Cité (atual ponta “du Vert Galant”), mas por dificuldades financeiras, guerras de religiões e questões políticas, só foi finalizada em 1604, pelo seu sucessor, Henrique IV (189-1610).

A Pont Neuf na verdade é composta de duas pontes independentes que passam pela ponta da Ilha de la Cité, uma grande de 78 metros, com 7 arcos, atravessando a extensão maior do rio Sena (margem direita), e uma outra menor de 78 metros, com 5 arcos atravessando a extensão menor do Sena (margem esquerda). Seus arcos aproximadamente arqueados têm largura irregular. Arcos de pleno centro de diversas larguras.

Pont Neuf de Paris. Foto: Henry Marion.

O aspecto atual da ponte é muito semelhante a 1° ponte finalizada em 1604. No entanto, ela passou por várias intervenções como: consolidação das fundações, restaurações dos arcos, reparações e reconstruções gerais.

A atual ponte construída em 1883 é composta por 11 segmentos de arcos (aduelas) de ferro fundido que suportam o conjunto estrutural metálico de uma via pública (hoje via de pedestre). Os dois arcos que fazem frente foram revestidos em cobre.

6- Pont au Double:

A 1° Ponte foi construída entre 1626 a 1632, e ligava o hospital (Hôtel Dieu) que se encontrava nas duas margens do rio, no lado esquerda. Cada pessoa que passava por ela, tinha que pagar um pedágio de double denier” (dois denários ou duas moedas de prata), que deu origem ao nome da ponte: Ponte au Double.

Pont au Double, Paris. Foto: FS999

Outras se seguiram conforme a urbanização da ilha, uma desmoronou em 1709, outra foi desmontada em 1847, e refeita para permitir a passagem de embarcações.

Ela liga faz a ligação do Parvis da Notre-Dame, na Ilha de la Cité com a via expressa da margem esquerda, quai Montebello.

7 – Pont Saint-Louis:

A ponte atual é a sétima a ser construída entre Ilha de la Cité e a Ilha de Saint-Louis. E também a unica a fazer a ligação entre as duas ilhas. Construída entre 1968 e 1970 é a mais moderna entre as nove pontes. Constituída por uma única viga em aço de 67 metros de comprimento por 16 metros de largura.

Pont Saint-Louis, Paris. Foto: Patrick Giraud.

A ponte construída foi entre 1630 e 1634, se chamava Pont Saint-Landry ou Pont de Bois, destruída por uma enchente em 1710 foi reconstruída em 1717 () num local próximo a anterior com um novo nome: Pont Rouge. Também destruída pelo Sena, em 1795. Uma foi construída em 1804, chamada Ponte de la Cité, mas desabou em 1811.

Em 1842, surgiu a primeira ponte levando o nome Saint-Louis e a ligando a ilha de la Cité. Uma passarela de pedestre que resistiu por quase 20 anos.

Substituída em 1861 (5°), por uma ponte de transportes (carroças e carruagens) metálica. Foi a 2° com o nome de Pont Saint-Louis. Permaneceu no local por muito tempo, até sofrer um grave acidente com um barco que passava abaixo, levando ao desmoronamento e a morte de três pedestres, em 1939.

Pont Saint-Louis em 1898. Paris.

A 6° ponte foi uma passarela provisória construída em 1941, durante a ocupação nazistas, (2° Guerra mundial). A 7° e atual Ponte Saint-Louis teve sua construção entre 1968 e 1970. Desde 2014 foi proibida a circulação de automóveis e motos.

8 – Pont d’Arcole:

A Ponte d”Arcole substituiu uma antiga ponte suspensa de ferro construída em 1828, para pedestres conhecida por “Pont de la Grève”, (grève era nome original da atual praça do l’Hôtel de Ville). Foi demolida e reconstruída após um decreto imperial de 31 de agosto de 1854, para aliviar o excesso de tráfego resultante da abertura da Rue de Rivoli.

Ela liga a Ilha de la Cité com a Câmara municipal de Paris ou Prefeitura de Paris (“Hôtel de Ville“), na margem direita.

Ponte d’Arcole, Paris. Foto: Arburak.

Uma ponte inovadora para época, sem pilares no centro, totalmente em ferro forjado, com 80 metros de comprimento e 20 de largura, sobre uma estrutura em forma de arco, apoiada em dois pilares de pedra.

Após a revolução de julho de 1830 (as Três Gloriosas) a ponte foi renomeada “Pont d’Arcole”. Alguns acreditam que esse nome foi dado graças a uma batalha vencida em 1796, por Napoleão Bonaparte I (1804-1814/1815) contra os austríacos, na cidade de Arcole, na Itália.

Outra hipótese, o nome foi dado em memória a um jovem revolucionário, chamado Arcole, que morreu enquanto colocava uma bandeira tricolor na Ponte de la Grève, durante os tumultos da revolução de julho.

Testemunhas relataram que, ao ser baleado pelos soldados, ele gritou: “Lembrem-se que eu me chamo Arcole!

Entre 1994 e 1995, a Ponte de Arcole foi completamente restaurada, reparada e repintada.

9 – Pont de l’Archevêché:

A Ponte do Arcebispo (Archevêché) é mais estreita de Paris. Foi construída em 1828 por um conjunto de três arcos de alturas variadas 15, 17 e 15 metros. Tem 68 metros de comprimento por 11 metros de largura.

Pont de l’Archevêché, Paris. Foto: Mbzt.

Recebeu esse nome com relação ao nome do Palácio do Arcebispo, que se encontrava localizado a sudeste da Notre-Dame, entre a Catedral e o Sena, destruído por uma revolta popular contra a igreja, em 1831.

Ela liga a via expressa, no quai de Montebello na margem esquerda, com o quai de l’Archevêché, na Ilha de la Cité, atrás da Catedral de Notre-Dame.

Lugares a serem vistados na Ilha de la Cité:

1 – Praça Dauphine:

A Praça Dauphine é a 2° Praça Real de Paris. Foi inaugurada em 1614, depois da Praça des Vosges (1612), e construída por ordens do rei Henrique IV (1589-1610), em homenagem ao nascimento de seu filho primogênito e sucessor (delfim), e futuro rei da França, Luís XIII (1601-1644).

Origem e história da Ilha de la Cité
Praça Dauphine, Paris. Imagem da emissão TV: “Des Racines et des Ailes”.

Projetada de forma triangular, com somente dois acessos, tinha como 1° objetivo proteger os banqueiros e mercadores da região, que poderiam fazer suas negociações seguras, próximas ao Palácio da Justiça, e a construção de 32 edifícios idênticos, para pessoas de baixa renda e comerciantes, enquanto que na Praça des Vosges havia sido reservado para uma elite aristocrática, rica e burguesa.

Leia mais sobre a praça no meu outro artigo.

2 – Palácio da Justiça:

Antiga fortaleza defensiva da Ilha de la Cité, se tornou tempos mais tarde na residência real, conhecido na história como Palácio de la Cité, sede do poder entre os séculos X e XIV. No seu conjunto encontra-se a Santa Capela e a Conciergerie.

Origem e história da Ilha de la Cité
Palácio da Justiça, Paris. Foto: Pline.

O atual Palácio de Justiça abriga as principais instituições jurídicas de Paris. Possibilidade de visita da Sala dos Passos Perdidos (Salle des Pas-Perdus), Cour de May (pátio central),   Vestíbulo de Harlay… e outros locais.

3 -Santa Capela (Sainte-Chapelle):

Construída em dois níveis, entre 1241 a 1248, dentro do antigo Palácio de la Cité, (atual Palácio da Justiça) por ordens do rei Luís IX ou São Luís (1223-1270), para abrigar as 22 relíquias da paixão de Cristo, como: “A Santa Coroa de Espinhos”, um fragmento de Madeira da Cruz, entre outros instrumentos do suplício de Jesus. Hoje se encontram na Catedral de Notre-Dame.

Origem e história da Ilha de la Cité
Santa Capela (Sainte-Chapelle), Paris. Foto: Wikemedia Commons.

O nível térreo da Capela era destinado ao culto paroquial para nobreza e pessoas comuns do palácio real. Enquanto que o 1° andar era destinado ao Rei e Rainha, e convidados reais, para veneração das Santas Relíquias.

Composto de 15 painéis gigantes (15 metros), de vidros coloridos (total de 615 m²). Sendo que 14 deles, o tema é bíblico: Antigo testamento (a esquerda), e Novo testamento (a direita). No painel central ao fundo, na parte de baixo é contado a história de Santa Helena, e no mesmo painel na parte alta, a história do rei Luis IX (São Luis), sobre a aquisição das Santas Relíquias.

3 – Conciergerie:

A Conciergerie juntamente com a Santa Capela são os vestígios principais que restaram do antigo conjunto do Palácio de la Cité (atual Palácio da Justiça), antiga sede do poder real na França, entre os séculos X e XIV.

Origem e história da Ilha de la Cité
Conciergerie, Paris. Foto: Dennis Jarvis.

Edifício austero gótico, construído no final do século XIII, durante o reinado de Filipe IV (1285-1314) com extensão do Palácio de la Cité para administração de Paris. Concierge era o título dado ao governador geral de Paris e Conciergerie o local onde ele residia.

Coma mudança do rei Carlos V (1364-1380) para a fortaleza do Louvre, a Conciergerie passou passou seu ocupada como uma prisão, e o concierge um importante personagem, nomeado pelo rei, para assegurar a ordem, o policiamento e o dia a dia dos prisioneiros ali enviados, em espera de julgamento.

Em 1314, Jacques de Molay (1243-1314), o “Grande Mestre da Ordem dos Templários” foi torturado na Torre do “Bon-Bec”, local onde sob tortura, as pessoas confessavam seus crimes ou assumiam mesmo sendo inocentes.

De 1793 a 1795, no período do “Terror”, o Grande Júri do Tribunal Revolucionário se instalou na Conciergerie, para julgar e condenar por volta de 2.500 prisioneiros a guilhotina em Paris.

A profissão Concierge depois de extinta foi substituída pela profissão do “Carrasco”. A prisioneira mais famosa foi a rainha Maria Antonieta que ficou 2 meses e 14 dias aguardando seu julgamento. Condenada saiu da Conciergerie, em charrete, para ser guilhotina no dia 16 de outubro de 1793, (oito meses depois de Luís XVI), na “Praça da Revolução”, atual Praça da Concórdia.

4 – Catedral de Notre-Dame de Paris:

Catedral Notre-Dame de Paris, obra-prima da arquitetura gótica religiosa francesa, foi construída entre 1163 e 1345, sobre a antiga Catedral Saint-Etienne (século IV), que por sua vez havia sido construída sobre um velho Templo pagão dedicado a Júpiter. do período da ocupação romana de Paris.

Catedral de Notre-Dame de Paris. Foto: DXR.

Situada em frente ao marco “Zero” ou ponto geográfico que marca a distância entre Paris e de todas as cidades da França, a catedral é dedicada a Nossa Senhora mãe de Jesus, em francês, Notre-Dame

Danificada durante a Revolução Francesa e muito desgastada pelo tempo, a Catedral foi objeto de uma grande restauração no século XIX, comandada pelo arquiteto Viollet-le-Duc (1814- 1879).

Em 15 de abril de 2019, um grande incêndio destruiu parcialmente a parte superior da Catedral de Notre-Dame, causando muitos danos, mas graça a intervenção de 400 bombeiros, o interior da igreja e seus tesouros foram salvos, com exceção do telhado e a a flecha principal, que ruíram com o fogo.

Catedral de Notre-Dame de Paris após incêndio em abril de 2019. Foto: Dave Collier.

Atualmente a Igreja se encontra fechada, sem uma data determinada para sua abertura e visitação.

4 – Cripta arqueológica da Ilha de la Cité:

Situada no subsolo do Parvis da Catedral de Notre-Dame (praça em frente a Catedral) é considerada uma das mais importante da Europa, pois nos oferece uma visão única da evolução urbana e arquitetônica da Ilha de la Cité.

Construída em 1980 com o objetivo de apresentar os vestígios arqueológicos descobertos durante as escavações realizadas entre 1965 e 1972.

Origem e história da Ilha de la Cité
Cripta arqueológica da Ilha de la Cité, Paris. Foto: Jean-Pierre Dalbéra.

Podemos ver fundações e vestígios de edifícios construídos desde a era galo-romana até o século XVIII. Mapas, objetos, apresentações em slides… Um mergulho na história de Paris.

O acesso para cripta é bem discreta e se encontra no n° 7, da Praça Jean-Paul II, junto ao Parvis Notre-Dame, 75004 Paris.

Precisa de uma guia profissional em Paris, clique no botão abaixo para mais informações e agendamento:

2 Comentários


  1. Fantástica historia! Completa, cheia de links para outras historias interessantes e lugares imperdiveis em Paris.
    Parabens

    Responder

  2. Amei…forma resumida e suave da história de grandes monumentos da minha linda cidade de Paris…

    Responder

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *