Praça Dauphine em Paris

Praça Dauphine em Paris

Tempo de leitura: 3 minutos

A Praça Dauphine, a 2° praça real em Paris foi inaugurada em 1614, depois da Praça dos Vosges (1612), e também construída por ordens do rei Henrique IV (1589-1610), em homenagem ao nascimento de seu filho primogênito e sucessor (delfim), e futuro rei da França, Luís XIII (1601-1644).

Praça Dauphine em Paris
Nascimento de Luís XIII, a Fontainebleau 1601, por Paul Rubens. Louvre.

Praça é substantivo feminino, portanto o nome que acompanha também deve ser feminino, no caso, “Dauphin” é masculino, e passa ser feminino para acompanhar “La Place”, resultando o nome de “Place Dauphine”.

Praça Dauphine em Paris
Praça Dauphine, Paris (75001). Foto: Sheila Sund.

História da Praça Dauphine em Paris:

Sobre uma terreno desabitado de 3 hectares que se encontrava na ponta oeste da Ilha de la Cité, (lado oposto a Catedral de Notre-Dame), a Praça Dauphine em Paris foi edificada sobre três ilhas que haviam sido unificadas no final do século XV: Ilha dos Judeus, (L’île aux Juifs), ilha dos Passadores de Vacas (île des Passeurs de Vaches) e ilha “de La Gourdaine” (nome de um moinho que existiu no local) ou Ilha do Patriarca (“île du Patriarche”).

Praça Dauphine em Paris
Palácio da Justiça e ilhotas em 1380 e Praça Dauphine e Pont-Neuf em 1754.

A ilhas depois de aterradas e elevadas ao nível do solo da Ilha de la Cité, foram anexadas ao terreno do rei, onde passou fazer parte do projeto das reformas urbanas da cidade que tinha como um dos objetivos, o alargamento e pavimentações das ruas, para ajudar acabar com o descongestionamento do trânsito da cidade, com suas milhares de carroças de transportes de pessoas e mercadorias.

Mesmo assim foi esse congestionamento infernal das ruas de Paris, que levou a morte do rei Henrique IV ao ficar parado no trânsito por causa de uma carroça quebrada, sua carruagem real foi invadida onde acabou sendo assassinado por François Ravaillac (1577-1610), no número 10 da rua “de la Ferronnerie”.

Após as guerras religiosas entre católicos e protestantes (ou huguenotes) ocorreu também um intensa imigração de novos habitantes para o centro de Paris, impondo assim ao rei também resolver a questão das habitações para essa população empobrecida que não paravam de chegar. (Leia também: “O Massacre da noite de São Bartolomeu”, clique aqui).

Somente após a conclusão da Pont Neuf em 1607 foi que iniciou-se a construção da Praça Dauphine em Paris.

Projeto da Praça (1607 a 1614):

Projetada de forma triangular, com somente dois acessos, tinha como 1° objetivo proteger os banqueiros e mercadores da região, que poderiam fazer suas negociações seguras, próximas ao Palácio de Justiça, e a construção de 32 edifícios idênticos, para pessoas de baixa renda e comerciantes, enquanto que na Praça des Vosges havia sido reservado para uma elite aristocrática, rica e burguesa.

Place Dauphine e Pont Neuf, em 1615. Mapa Mérian.

Com exceção dos dois edifícios, que se encontram hoje em frente à estátua equestre de Henrique IV, (junto a Pont-Neuf), todas as construções foram modificadas ou demolidas ao longo dos séculos.

Praça Dauphine em Paris
Estátua equestre de Henrique IV na Pont Neuf, Paris. Foto: Edmond.

Em 1874, os edifícios que estavam em frente ao Palácio de Justiça foram demolidos para que a nova fachada fosse construída entre 1857 e 1868, (sobre Napoleão III).

Praça Dauphine em Paris
Vista aérea da atual Place Dauphine. Emissão TV: “Des Racines et des Ailes”.

Mesmo que atualmente esteja desfigurada, vários comércios como: Cafés, restaurantes, galerias de arte… animam à simpática e agradável praça de terra batida e de algumas árvores.

Gostou da história sobre a Praça Dauphine em Paris? Se for sim, tem um botão F (de Facebook) no alto, que acompanha o texto, para você poder compartilha-lo. Obrigado desde já.

Interessado em visitar Paris e conhecer alguns dos seus segredos? Então entre em contato comigo clicando no botão abaixo. Até breve! Tom Pavesi.

2 Comentários


  1. Acho muito construtivo todas essas informações sobre Paris e a França, tenho aprendido bastante. Já estive duas vezes em Paris e com certeza da próxima vez terei mais conhecimentos.

    Responder

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *