15 Dicas para você não passar apuros em Paris

15 Dicas para você não passar apuros em Paris

Tempo de leitura: 5 minutos

15 Dicas para você não passar apuros em Paris

Ok, Ok. Pode ser que você já conheça algumas dessas dicas mas é sempre bom termos em mente informações que irão nos ajudar durante uma viagem. Eu mesmo já “paguei mico” em várias dessas situações que cito abaixo. Tem mais dicas? Compartilhe nos comentários. Boa leitura!

01 – Aluguel de carro

Muita gente me pergunta se vale a pena alugar um carro para passar os dias em Paris. A resposta definitiva é NÃO. Paris foi planejada para que você possa fazer quase tudo à pé. Além disso, tem um dos mais eficientes sistemas de transporte público do mundo, com metrô, trens, ônibus e bicicleta. Sem falar que é quase impossível encontrar lugar para estacionar por aqui ou então prepare o bolso para pagar bem caro por uma vaga, pois todas as ruas são pagas, das 9h às 22h. Somente grátis à noite, e aos domingos.

02 – Táxi

Os táxis também merecem uma observação especial: para chamar um carro, você precisa ligar em uma central (e aí tem que se virar muito bem em francês ou em inglês). Os atendentes dos hotéis costumam salvar turistas neste caso… Eles ligam e já passam o roteiro para o motorista. Esqueça aquela história de dar sinal para um táxi enquanto ele passa por uma avenida. Aqui eles não param de jeito nenhum, ao menos que você vá a um ponto de táxi específico e aguarde numa fila pacientemente (ou eternamente) até que apareça um. Se você fala francês, ligue para 3607, e se você fala inglês, o telefone é o 01 41 27 66 99.

03 – Barato e chique

Vinho provavelmente é a coisa mais barata que você vai encontrar em Paris. A boa é procurar nos supermercados e em lojas especializadas como a rede Nicolas, que oferece vinhos próprios com preços pra lá de convidativos (já vi alguns a partir de 2,85 euros). Nos restaurantes, a opção mais econômica é sempre o vinho da casa, o famoso “pichet”, servido em uma jarra com aproximadamente 500ml de vinho.

04 – Restaurantes

A maioria dos restaurantes fecham às 22h e alguns só atendem se você tiver feito uma reserva prévia. Além disso, ao chegar, jamais vá se sentando na mesa que você escolher, como fazemos no Brasil. Na França é o garçom quem escolhe a sua mesa e ponto final. Cansei de ir a restaurantes quase vazios e o garçom nos indicar uma mesa pequena, que mal cabia os pratos, sendo que ao lado havia várias mesas “espaçosas” para 4 pessoas… Vá se acostumando.

05 – Menu Gourmet mais barato

Nos restaurantes, o preço médio do jantar é de 30 a 40% mais caro que o almoço. Por isso, se você está pensando em conhecer aquele restaurante badalado mas também gostaria de economizar seus preciosos euros, a dica é ir almoçar nesses locais.

06 – Metrô

Em Paris, o metrô funciona de domingo á quinta-feira até a meia-noite. Já às sextas e sábados o serviço é encerrado às 2 da manhã.

07 – Na escada Rolante

Quando estiver em uma escada rolante, mantenha-se à direita. O lado esquerdo é “reservado” para os apressados de plantão, que passam rapidamente, às vezes esbarrando em você e dizendo “pardon” (com licença).

08 – Bares com vista privilegiada

A maioria dos bares e restaurantes possuem mesas na calçada com as cadeiras voltadas para a rua. Muitos dizem que é para se admirar a “Cidade-Luz”…

09 – Banheiros coletivos

Fique atento quando for fazer sua reserva de hotel. Alguns hotéis “muito baratos” oferecem quartos com banheiros coletivos. Então, se você não abre mão de sua privacidade, certifique-se antes.

10 – Água grátis

Praticamente todos os restaurantes servem uma jarra de água aos clientes, como cortesia da casa. Porém, saiba que esta água vem da torneira…. Não se assuste: a água vinda da torneira é potável e totalmente limpa e própria para o consumo. É claro que se você quiser uma água industrializada, irá encontrar mais de uma opção no cardápio.

11 – Atendentes bilíngues

O fluxo de turistas em Paris é tão grande que quase todos os atendentes – seja de uma loja sofisticada ou de um simples bistrô – falam dois ou três idiomas. Nos últimos anos, aumentou consideravelmente o número de atendentes que falam chinês.

12 – Onde se hospedar

O que não falta em Paris são hotéis. Alguns ótimos com preços super atrativos, porém muito distantes da área central da cidade. Fique atento: não compensa se hospedar em um hotel distante e ter que se deslocar de trem (que são mais caros do que o metrô) e gastar seu precioso tempo na “Cidade-Luz” dentro de um vagão lotado.

13 – Palavras mágicas

– Bonjour (quando se chega a um local).
– S’il vous plait (por favor).
– Merci (obrigado).
– Pardon (com licença – usa-se muito no metrô, por exemplo).
Com essas palavras “mágicas” você será bem recebido em qualquer lugar da França.

14 – Luzes piscantes da Torre Eiffel

Para ver a Torre Eiffel toda iluminada piscando durante 5 minutos, saiba que isso acontece de hora em hora, nas horas cheias. Ou seja: 21h, 22h, 23h… Fique atento !

15 – Horário do comércio

Mesmo com milhões de turistas todo ano, o comércio de Paris segue um horário rígido: abre às 10 e fecha às 19h. Além disso praticamente tudo é fechado aos domingos. As exceções são os bairros: Marais, Montmartre e os estabelecimentos da Champs Elysées.

Bônus

Mesmo você sabendo tudo isso ou querendo saber mais, indicamos que leve no seu celular ou tablete, o e-book digital, Paris Vivências, de Cynthia Camargo, (leia aqui o nosso artigo) pois lá você terá todas as suas perguntas respondidas em um só lugar!  Um guia que ensina a se perder pela cidade mais encantadora de todos os tempos!  “O melhor roteiro é não seguir nenhum”.
Vivências para todos os gostos, todos os bolsos, todas as idades, todas as preferências e todos os interesses!

Gostaria de fazer uma visita guiada em Paris? Então clique no botão abaixo para mais informações e agendamento. Aguardo seu contato! Tom Pavesi!

3 Comentários


  1. Obrigado Tom, por compartilhar. Preciso escrever o “Volume 2” já… Muita novidade para passar para quem visita Paris….

    Responder

    1. As dicas do Rogério são essenciais para se chegar por dentro dos costumes dos parisienses, e como ele mesmo disse, não passar “mico”. Agora levar o seu guia (e-book) de Paris, Paris Vivências deveria ser uma obrigação para todos que desejam saber de tudo que Paris oferece de melhor.
      Parabéns por sua obra e sucesso com as vendas!

      Responder

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *